Search:
Dia-a-dia | Kaffa Cafés
26348
page-template-default,page,page-id-26348,edgt-core-1.0.1,ajax_fade,page_not_loaded,,hudson-ver-1.9, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,woocommerce_installed,blog_installed,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2,vc_responsive

Por detrás das cápsulas de café Kaffa

António e Paulo Silva

António e Paulo Silva - Pai e filho a trabalhar na mesma empresa

António e Paulo Silva. Pai e filho a trabalhar na mesma empresa. Mas neste caso, foi o filho que trouxe o pai para a Kaffa. “O meu pai reformou-se e ainda esteve 7 ou 8 meses em casa, mas chegámos à conclusão de que era importante que mantivesse uma atividade. Pedi na Kaffa que quando houvesse uma oportunidade o chamassem e em pouco tempo ele entrava para a produção”. Foi há 8 anos e António Silva foi trabalhar como operador de linha. “Tive de aprender tudo do zero, mas gosto muito do que faço”, comenta. Antes de se reformar era comercial e o filho herdou-lhe o jeito para as vendas. Paulo está há 13 anos na Kaffa e trabalha diretamente com as grandes superfícies e os distribuidores para o pequeno retalho. Somos uma empresa portuguesa com produtos de qualidade e com blends feitos à medida do consumidor nacional. Este é o nosso trunfo. “Gosto sempre de dar a provar o nosso café. A degustação é importante. Depois de provar, as pessoas percebem a qualidade do produto”. Pai e filho preferem o seu café mais intenso. Em casa tomam Cravo e Fado. Por questões de saúde, Paulo toma sobretudo o descafeinado. “O nosso é excelente. O difícil é quando o tomo em estabelecimentos que não têm Kaffa.”

Anabela Benodiz

“Quem vê uma cápsula de café não imagina todo o processo que é até chegar à sua máquina”, comenta Anabela Benodiz. Como chefe de linha, tem a seu cargo uma das 11 linhas de produção da Kaffa. “Entrei na empresa há 6 anos e é giro ver como crescemos.” Anabela é responsável por organizar todo o trabalho que passa pela sua linha de produção e ainda, quando é preciso, dá apoio a outras linhas. É um trabalho fisicamente exigente e também a nível da organização. Tem um grande orgulho no produto final. “Quando vejo as promotoras nos supermercados digo-lhes logo que aquele café é feito na fábrica onde trabalho”. Muito concentrada nas suas funções, Anabela, mais conhecida como Stallone por ter sempre as mangas arregaçadas, é a boa disposição em pessoa nos dias de festa. E apesar de lidar diária e diretamente com o café, adora expressos. Os intensos são os seus preferidos, especialmente o Cravo.

Anabela Benodiz - Chefe de linha

Pedro Figueiredo

Pedro Figueiredo - Departamento de Qualidade

Pedro Figueiredo é um dos membros do Departamento de Qualidade e trabalha num dos laboratórios da Kaffa onde o café é testado nas suas várias etapas. Engenheiro Alimentar, este é o seu primeiro emprego. “Aqui analisamos os cafés verdes e fazemos um controlo apertado ao produto acabado durante e no final da produção, com diversos testes e provas”, explica. “Ao início era difícil, principalmente para saber a escala e os parâmetros de avaliação do café. Depois, com a experiência, conseguimos notar bem as diferenças.” Esta é uma das partes do trabalho de que Pedro mais gosta: “perceber as diferenças entre os cafés, ver o meu gosto pessoal, perceber o que as outras pessoas gostam, que pode ser completamente o oposto de mim, e, por fim, perceber o gosto do consumidor”. Pedro prefere dos blends 100% arábica, mais aromáticos e suaves, como é o caso do Azulejo.

Francisco Rosa

Francisco Rosa é o funcionário mais antigo da Kaffa e acaba de completar 18 anos na empresa. “No início, éramos 4 ou 5 pessoas. O negócio começou com as máquinas de café e de vending. Depois pensou-se que fabricando cá as cápsulas seria mais vantajoso. Passámos a produzir cápsulas e o deixámos o vending. A partir daí tudo evoluiu muito rapidamente para aquilo que somos hoje”, recorda. E é exatamente isso de que mais gosta: “Ver o que era a Kaffa e o que agora é. É ter podido acompanhar esta transformação total.”
Francisco Rosa está no Departamento de Assistência Técnica. E dá-nos o segredo para que as nossas máquinas nunca avariem. “Usar sempre água mineral, de vez em quando, depois de se fazer uma extração de café, fazer uma puxada de água para tirar alguma impureza que se tenha depositado no interior da máquina, assim como ir limpando os acessórios e os depósitos de água periodicamente.”. O seu café preferido? O Cravo.

Francisco Rosa - O funcionário mais antigo da Kaffa

Patrícia Mendes

Patrícia Mendes - Departamento de Apoio ao Cliente

Patrícia Mendes faz parte da equipa que faz a ligação entre a empresa e o cliente final. Está na Kaffa há 4 anos, no Departamento de Apoio ao Cliente, e faz uma das coisas de que mais gosta: falar com as pessoas. “Adoro falar com os clientes. Acho importante transmitir-lhes segurança, seriedade e a ideia de que tudo se resolve.” Mas receber encomendas por telefone e resolver problemas pontuais são apenas parte do trabalho de Patrícia. “Aqui tratamos das expedições para as grandes superfícies e para os clientes particulares, das transportadoras, da faturação e da gestão de stocks da receção. É muita responsabilidade e a pressão diária é grande, mas trabalhamos para que nada falhe.” E quando há promoções, o trabalho multiplica-se.
Aos que compram Kaffa pela primeira vez, tenta orientar quanto ao tipo de café escolher. “Procuro perceber que tipo de café a pessoa prefere, mais intenso ou não. Falo sempre do nosso café biológico e também do descafeinado, que tem um sabor excelente. Menciono também o meu preferido do momento, o Namorados, que é cremoso e suave.”